José Carlos Veronezzi

Internet – Nasceu queimando etapas

Os chamados meios de comunicação tradicionais sofreram todo um demora do processo até se consolidarem como tais. De Gutenberg aos jornais e revistas  em cores passaram-se séculos. O cinema levou vários anos até ter som e cores. Da  descoberta do eletromagnetismo em 1865, até sua aplicação como rádio, passaram-se 40 anos. A televisão, inventada em 1926, só em 1951 – após 25 anos  passou a ter cor, embora com baixa qualidade de definição e restrita às elites. Já a  internet levou menos de dez anos, da sua disponibilidade pública em 1980, nos EUA, e ainda chamada de Arpanet à sua popularização em 1990.

Não há um consenso se a internet é mais um meio, a soma de todos os outros, algo totalmente novo ou se no futuro só haverá lugar para ela! Para tentar responder a tudo isso, precisamos antes, esmiuçar um pouco mais como se deu a consolidação dos meios tradicionais versus internet. O que mais contribuiu para os meios tradicionais deixarem de ser consumidos apenas por uma parcela da população e transformarem-se em fortes canais de mídia e publicidade, foi o constante – embora lento – desenvolvimento tecnológico ocorrido entre 1450, com a primeira, e rudimentar impressora gráfica, e fins de 1960, quando jornal, revista, TV, rádio e cinema já tinham grande penetração nas populações do primeiro mundo e, formas físicas externas muito semelhantes às de hoje.

A tecnologia foi a causa. Através da progressiva criação de novas máquinas e processos que diminuíram muito o tempo de produção do conteúdo, formato e transmissão dos veículos, possibilitando assim um barateamento de custo, necessário para que esses meios passassem a atingir milhares de pessoas e se transformassem no que se convencionou chamar de meios de comunicação de massa. E isso atraiu anúncios. E com e1es, um grande incremento nas receitas. Com mais faturamento os veículos passaram a fornecer mais e melhores benefícios a seus públicos, na forma de informações e entretenimento (a homogeneização cultural acabou fundindo-as em uma espécie de “infornimento”), e a concorrência para a conquista de mais leitores e audiências fez com que precisassem ser cada vez mais atrativos, recorrendo à tecnologia e o ciclo recomeçável.

Com a Internet isso não aconteceu, porque, ao nascer, ela queimou todas as etapas, pois já contava com todos os recursos intrínsecos dos outros meios texto, imagem, som e movimento e já estava apoiada na tecnologia e no barateamento da economia de escala dos Chips, impulsos telefônicos a preço local micros que a cada ano diminuem de preço e anunciantes receptivos e com verbas para investirem nesse novo “meio”.

Um novo meio ou a convergência de todos?

Talvez a internet não seja um novo meio, e sim, a convergência de todos os meios, porque, na verdade, basta acessá-la para podermos ler jornais e revistas, ouvir rádio, ver TV e assistir a filmes. Tudo isso por menos que o preço de um exemplar de jornal.  A partir de qualquer lugar bastando uma linha telefônica. Nem micro não é mais preciso com os celulares WAP. E ela ainda oferece vários benefícios integrados mala-direta, correio, conversas entre duas ou mais pessoas, transmissão de dados, banco de dados, biblioteca, guia, lista te1efônica, arquivo etc. Por outro lado, a internet pode ser considera algo totalmente novo por possuir algumas características não encontradas nos outros meios, como bem disse Daniel Okrent, editor de new mídia da Time Inc.: instantaneidade megacapacidade de armazenagem, facilidade na busca de informações e direcionamento individual.

Quem sabe, a melhor definição para a internet esteja nas teorias de um controvertido professor de comunicações que afirmava que tudo que o homem usa são extensões do corpo a roupa, extensão da pele; a ferramenta, extensão das mãos etc., e os meios de comunicação extensões dos nossos sentidos.

Nesse sentido a internet é a melhor expressão dessa teoria. Pois vejam que sua característica mais marcante, sua instantaneidade, nos faz lembrar da rapidez dos pensamentos, os links são tais quais as redes neurais; hipertextos remetem ao procedimento por associação usado pelo raciocínio humano; e sua grande capacidade em arquivar indexar e organizar dados, com mais competência que nossa memória, faz desse “meio” a melhor extensão do nosso cérebro, que o homem já criou. “

Texto retirado do livro Mídia de A a Z de José Carlos Veronezzi

Internet

Viver sem internet nos dias atuais é algo inimaginável. Ela faz parte da nossa vida, do nosso dia-a-dia. internet revolucionou a meio da comunicação por completo. Antes só conseguíamos estar ligados através de cartas e receber noticias pelo jornal, revista e televisão. Tudo era feito de uma forma independente sem integração dos meios. Hoje vivemos num mundo muito mais integrado e interligado por conta da internet. Mas o que é a internet:

A internet é um conjunto de redes de computadores interligada mundialmente que possibilita o acesso a informações sobre e em qualquer lugar do mundo. A internet permite o acesso a informações de todos os tipos e de muitas transferências de dados, além de uma grande variedade de recursos e serviços, como emails, serviços de comunicação instantânea, compartilhamento de arquivos como músicas e fotos, redes sociais, e uma infinidade de outros temas Fazer publicidade na internet é algo vasto, de grande alcance e algumas vezes mais barato do que uma veiculação na TV ou no jornal e tem crescido cada vez mais. A internet vêm mudanças e muitas novidades. Os virais são um deles, que estão de tornando cada vez mais populares e fazendo fama de muitas pessoas. Um exemplo que podemos dar é a campanha do Itaú, de cortar o uso dos papeis desnecessário, e que teve como protagonista um vídeo de um bebe e sua risada ao se rasgar o papel. Com mais de 58.044.955 views, o Itaú se utilizou desse viral para criar sua campanha, que foi muita aceita pelo público.

Campanha Itaú – Sem papel

Fonte:

http://www.significados.com.br/internet/

http://www.mobilizado.com.br/sms/campanha-bem-sucedida-do-itau-ganha-desdobramento-mobile

http://www.youtube.com/watch?v=RP4abiHdQpc

Mídia indoor

A mídia indoor como já mostra no nome (dentro da porta de casa) é algo que está dentro do nosso ambiente e aonde existe uma grande concentração de pessoas. Tem como objetivo nos acompanhar aonde formos, supermercados, cabeleireiros, shopping Center, aeropostos e tem crescido muito dentro da academias. Como já falamos em alguns posts anteriores as mídias se misturam junto com seus conceitos, vamos ver em alguns lugares que consideram a mídia dentro do ônibus ou metro com ooh ou indoor, a linha que separa um do outro é muito fina pois ambos se encaixam dentro da classificação dos conceitos. Depende muito do interpretação da pessoa que estiver o avaliando. Mas de uma coisa temos certeza, que cada vez mais as informações estão em todos os lugares.

Vejamos alguns exemplos de mídia indoor:

Em supermercado;

indoor

indoor 2

Nos aeroportos;

indoor 3

Em elevadores;

indoor 4

Nas academias:

indoor 5

Fonte:

http://mktestudo.blogspot.com.br/2011/08/midia-indoor.html

Mídia Alternativa

As mídias são os meios utilizados para transmissão de mensagens ou informações. As mídias tem um papel fundamental em nossas vidas. Elas mostram e em alguns casos, conduzem a vidas das pessoas, ditam suas regras e tendências. Existem diversos meios e gostaria de falar de um que é bastante diferente, a mídia alternativa.

Ela é tudo aquilo que não é tradicional e o é  que nos chama atenção pois se utilizar de meios criativos e fora no comum. Algumas vezes em lugares que nunca pensaríamos e que são simplesmente geniais. A mídia alternativa se utilizada de diversos meios e algumas vezes se utiliza de meios convencionais, mas com conceito criativo e inusitado, tendo assim uma mistura de classificação dos meios.

A melhor forma de entender é ver as campanhas que já foram feitas utilizando as mídias alternativas.

 

alternativa 3

Se utilizando do tronco da árvore para falar da bebida que vem dela;

 

 alternativa

Utilizando o meio fio para anunciar uma marca de marca texto;

 

alternativa 2

Mascara dos dentistas

 

Fonte:

http://www.evef.com.br/midia.php

Internet e sua importância nos dias de hoje!

   A Internet é o principal meio de comunicação existente na atualidade, qualquer informação hoje é compartilhada pela rede, você pode receber informações do outro lado do mundo em questões de segundos. Os meios de comunicação mais antigos como rádio, televisão e jornais, já estão disponibilizando páginas na rede com conteúdos e acessos exclusivos para os assinantes. A Internet foi o meio que mais colaborou para o surgimento da palavra globalização nos livros de geografia e história, informações ocorridas hoje podem ser visualizadas em questões de segundos, bastando apenas um aparelho que contenha um browser e acesso a Internet.

    Imagem

      Apesar da tecnologia que envolva a Internet já existir a algum tempo, só agora nos últimos anos, que começou a expandir e influenciar na vida da sociedade. Isso ocorre pois a cada dia surgem acesso cada vez mais rápidos e diversas formas de se conectar a Internet. Das formas de conexão existentes comum e a que colaborou mais para o aparecimento de novos usuários foi a conexão discada, pois ela foi a primeira a expandir entre usuários domésticos. Existe também a banda larga de acesso rápido, a rede sem fi o (wirelles) e a 3G.

EVOLUÇÃO DA MÍDIA EXTERNA !

A mídia exterior era dividida entre outdoor e mídia alternativa. Hoje, pensamos a mídia exterior de uma forma global, buscando o melhor mix entre as inúmeras alternativas que estão disponíveis nos mercados como os outdoors (padrão 3x9m), mobiliário urbano (abrigos de ônibus, relógios, totens de rua, lixeiras, protetores de árvores), empenas de prédios e fachadas, topos, placas de ruas,frontlights e backlights, painéis digitais, projeções e galhardetes.. É preciso entender as diferenças existentes entre os vários formatos e extrair o melhor que cada mercado tem a oferecer. É literalmente visível o crescimento qualitativo que o meio apresentou nesse período um exemplo de acordo com o Mídia Dados 2009, a mídia exterior (Outbus/Busdoor) foi a mais lembrada entre os consumidores das praças do Recife, de Salvador e de Fortaleza.

Imagem OUTDOOR

Imagem

PAINEL

Imagem MOBILIÁRIO URBANO

Imagem BUSDOOR